O que uma boa consultoria financeira pode indicar muitas vezes está fora dos planos dos potenciais investidores mas pode representar uma ótima oportunidade ainda não explorada.
Investidores que buscam alternativas em opções independentes de variações dos tradicionais mercados de títulos e ações são uníssonos em determinadas escolhas por itens colecionáveis como artes, joias, antiguidades e até brinquedos. Além de reais perspectivas de retornos reais, a aquisição de determinadas peças também impacta a rotina do adquirente ao prover beleza, elegância e o uso prático do bem conquistado no dia a dia.
Alguns itens são mais práticos e realísticos como forma deplanejamento financeiro. Colecionadores veteranos compartilham uma dica valiosa para quem pensa em se iniciar neste universo: o foco em uma área específica é muito importante para os primeiros passos na nova atividade. A partir de sua escolha, estude o segmento até tornar-se bastante familiar.
Jonathan Rendell, expert responsável pela distinta Christie’s AuctionHouse, indica a importância de optar por itens que podem ter seu desempenho facilmente acompanhado. Algumas áreas oferecem mais possibilidades de “tracking” do que outras, como as que vendem em lotes e os artigos são edições de um mesmo grupo maior, como por exemplo uma edição de 50 impressões de determinada litografia. Desta forma, quando uma age no mercado, a informação pode ser compartilhada e dividida.
Mas atenção: não é apenas por vir com o adjetivo “colecionável” que o item se torna vantajoso.
Rendell enumera vinhos, jóias e impressões como os mais indicados por terem seus valores determinados facilmente. Um bom exemplo é o diamante colorido, que está bem cotado no mercado.
Mais adiante falaremos também sobre investimentos em automóveis raros. Acompanhe pelo site www.natasharocha.com